terça-feira, 1 de junho de 2010

Gallinago gallinago


Morfologia:
A Narceja-comum (Gallinago gallinago) é uma limícola intensamente malhada de dimensão média, bem camuflada, com bico comprido e direito com cerca de 6 a 7cm, parte superior castanha e preta malhada com listras conspícuas castanho-amareladas no dorso formando um V. Listra média da coroa e superciliar castanho-amareladas, listra ocular escura e margens escuras das coberturas auriculares produzem um padrão malhado distintivo. O peito é castanho-amarelado e a garganta e abdómen brancos. A cor do bico varia entre o rosado e o preto e as patas são compridas e esverdeadas. Existem registos de indivíduos parcialmente albinos e indivíduos melânicos.
O seu comprimento varia entre os 25 e 27cm e possui uma envergadura de 44 a 47cm. O peso oscila entre os 100 e 120 g, mas em casos extremos pode variar entre os 80 e os 225 g. Não é observado dimorfismo sexual, a plumagem não apresenta variações sazonais e os juvenis são muito semelhantes aos adultos.


Espécies similares:
A Narceja-comum é uma ave da Ordem dos Charadriiformes, Família Scolopacidae e Género Gallinago.
Em Portugal Continental existem registos da observação de quatro espécies de narcejas, três pertencentes ao género Gallinago e uma pertencente ao género Lymnocryptes.
Relativamente às espécies do género Gallinago a Narceja-comum (Gallinago gallinago) é sem dúvida a narceja mais abundante e bem distribuída, estando a observação da Narceja-real (Gallinago media) e a Narceja de Wilson (Gallinago delicata) sujeita a homologação por parte do Comité Português de Raridades.
A Narceja-galega (Lymnocryptes minimus) é uma espécie relativamente comum que apesar da plumagem típica de narceja apresenta grandes diferenças morfológicas e comportamentais relativamente à Narceja-comum.

Distribuição:
A Narceja-comum apresenta-se distribuída pelas regiões Holártica, Afrotropical e Neotropical, verificando-se a sua ausência em quase toda a Europa mediterrânica.
A sua distribuição encontra-se intimamente relacionada com a época reprodutiva e época de invernada, verificando-se que, de uma forma geral, após a época reprodutiva esta migra para sul para as áreas de Invernada.
Em Portugal Continental é considerada uma espécie invernante e migradora de passagem, sendo no entanto reconhecida a sua nidificação no noroeste de Portugal.
Estudos efectuados de 2006 a 2008 por um grupo de trabalho do CIBIO em torno da população nidificante de Narceja-comum, permitiram concluir que esta população apresenta um efectivo reduzido que não deve ir além de 2 a 3 casais e se encontra confinada á região de Montalegre com nidificação confirmada no Planalto da Mourela.

Habitat:
Durante a época de invernada a Narceja-comum distribui-se por uma grande diversidade de zonas húmidas, no entanto, durante a época reprodutiva verifica-se a preferência por zonas húmidas de altitude, como matos higrófilos, turfeiras e lameiros caracterizados por solos com elevado conteúdo de matéria orgânica e ricos em invertebrados.
Na selecção do local de nidificação é dada preferência a locais abertos e de boa visibilidade, que permitam detectar a aproximação do perigo.

Biologia:
A Narceja-comum é uma ave com actividade principalmente crepuscular. A alimentação baseia-se maioritariamente na ingestão de uma grande variedade de invertebrados, no entanto, também se alimentam (mas em menores quantidades) de sementes e outras porções vegetais, assim como componentes de origem mineral.

A Narceja-comum atinge a maturidade sexual ainda durante o seu primeiro ano de vida, no entanto a nidificação nem sempre acontece, uma vez que os melhores locais são seleccionados pelos machos mais velhos. Os jovens constituirão uma população de substituição para o caso de algo ocorrer com os mais velhos.
Na Europa, as narcejas chegam aos locais de nidificação entre Março e Abril. Os machos são os primeiros a chegar e delimitam os seus territórios.
O ninho é construído apenas pela fêmea a uma altura que pode chegar a 50cm de forma a proteger as posturas de inundações.
As posturas são em média de 4 ovos, brilhantes, periformes e as cores variam do cinzento ao castanho oliváceo. A incubação fica ao encargo da fêmea e dura entre 18 a 22 dias.
A ninhada é repartida pelos dois progenitores, ficando as primeiras crias ao encargo do macho (uma ou duas) e as restantes da fêmea.
As crias, nidífugas são alimentadas nos primeiros dias pelos progenitores e emancipam-se na totalidade por volta das 6 semanas.
A Narceja-comum apresenta pelo menos 8 sons, que correspondem a situações particulares e em frequências que variam ao longo do seu ciclo de vida bem como do ciclo anual. O som mais curioso é o “Drumming-flight” que é produzido pela vibração das rectrizes externas durante o voo estando este relacionado com a exibição nupcial.

Conservação:
A nível global a Narceja-comum possui o estatuto de "Pouco preocupante" (LC) no entanto, verifica-se que o seu efectivo populacional se encontra em declínio. Em Portugal Continental a população nidificante apresenta o estatuto de "Criticamente em perigo" (CR).
Tratando-se de um efectivo populacional muito reduzido, com elevada dependência de habitats específicos, é essencial condicionar a drenagem das zonas húmidas nas áreas importantes à nidificação da espécie, de forma a preservar os locais de nidificação actual, bem como, a promoção da recolonização de áreas de distribuição histórica da população nidificante.

Referências bibliográficas:
Cramp, S.. (1998). The complete birds of western Palearctic. CD-ROM. Oxford University Press..
Del Hoyo, J. Elliot, A. & Sargatal, J.(Eds) (1996). Handbook of the birds of the world. Vol. 3. Lynx Edicions, Barcelona, Espanha. 882pp.
Grisser, P. (1990). La Bécassine des Marais. Bull. Mens. O.N.C., 144 (Notes Techniques; fiche nº 64). 8 pp.
ICN (2006). Gallinago gallinago - Plano Sectorial da Rede Natura 2000. Acedido em 8 de Agosto de 2007, em: http://portal.icnb.pt/ICNPortal/vPT/
Rouxel, R. 2000. Les Bécassines du paléartic occidental. Publ. OMPO. Ed. Eveil Nature, Saint-Yrieix-sur-Charante, France. 304 p.
Silva, T., (2008). Relatório Final de Estágio: Recenseamento de Espécies Cinegéticas em Montalegre, com Destaque para a População Nidificante de Narceja comum (Gallinago gallinago). 37pp.


Texto da autoria e responsabilidade de Tiago Silva

1 comentário:

jt disse...

Simpático Animal , gostei.

Continuem com o magnifico trabalho de divulgação nós agradecemos.

Enviar um comentário