segunda-feira, 10 de abril de 2017

Escaravelho rinoceronte (Oryctes nasicornis)


Oryctes nasicornis macho adulto

O Escaravelho rinoceronte (Oryctes nasicornis), conjuntamente com a vaca-loura (Lucanus cervus) são os dois escaravelhos maiores da Europa.
Apesar do seu tamanho (podendo atingir até 6-8 cm) e de aspeto feroz é um inseto absolutamente inofensivo, o corno que faz lembrar os dos rinocerontes e dá o mote ao seu nome comum é apenas presente nos machos.


Oryctes nasicornis macho adulto

As suas larvar alimentam-se durante vários anos de madeira (troncos e raízes) morta, a sua fase adulta é curta, apenas de alguns meses e é dedicada exclusivamente á reprodução, as poucas vezes que se alimentam durante esta fase é com seiva que brotam de troncos de arvores. Os seus voos são potente e bastante ruidosos, muitas vezes confundido como aves. 

sábado, 25 de março de 2017

Tempo de mudar de casa

Rede e dinâmica de uma colónia de Miniopterus schreibersii

Contrariamente às aves que fazem migrações de longa distância, as migrações dos morcegos são mais curtas e na sua maioria de âmbito regional, restringindo-se essencialmente a migrações entre os abrigos de hibernação, que oferecem condições propícias para hibernar (temperatura humidade) e os de criação, que por norma são mais ricos em recursos tróficos. Assim a localização dos abrigos não é definida pela sua localização (norte ou sul)., mas sim, pelas condições internas e a sua envolvente, deste modo podemos observar rotas de migração de várias direções.Um dos casos de migração regional mais bem estudados é o Miniopterus schreibersii, uma espécie tipicamente cavernícola e de voo rápido (50-60Km/h), a migração mais longa registada na Europa é de 550 Km e de 240 Km para Portugal. Esta espécie, no final do Inverno e início da Primavera, começa a realizar as suas migrações para os abrigos temporários e/ou satélites (também designados de abrigos equinociais) onde passam um curto tempo (2-15 dias), e de onde empreenderão viagem para os abrigos de criação. Estes abrigos satélites são abrigos, onde os recursos tróficos abundam e tem como principal objetivos, a recuperação da condição corporal perdida durante o período de hibernação e a segregação sexual da colónia, que nesta espécie é mais ou menos marcada espacial e temporalmente.
Colonia de Miniopterus schreibersii em hibernação

Os machos deixam os abrigos tendencialmente de mais tarde dos que as fêmeas. Alguns autores descrevem esta conduta como um comportamento adaptativo, tendo como objetivo reduzir a competição interespecífica pelos recursos alimentares na primavera, quando as necessidades energéticas são maiores para as fêmeas que se encontram prenhes, outros autores defendem que este comportamento se deve à necessidade das fêmeas em se deslocarem para abrigos mais quentes de modo a iniciarem o desenvolvimento embrionário mais rapidamente.
Macho de Miniopterus schreibersii anilhado 

sábado, 11 de março de 2017

Rola-bosta (Scarabaeus laticollis)



Os rola-bosta (Scarabaeus laticollis), são escaravelhos coleópteros que salimentam as suas larvas com excrementos. Após construir um túnel subterrâneo, estes engenhosos escaravelhos começam a formar uma bola de excremento, para tal, com a ajuda das patas traseiras e de marcha atrás vai rolando uma pequena quantidade de excremento e com a ajuda das patas dianteiras aplanadas e dentadas vai aumentando e dando-lhe forma perfeitamente circular. Esta forma circular tem apenas o propósito de facilitar o seu transporte até o seu túnel, após estarem dentro do túnel previamente feito, várias bolas de excremento são amassadas conjuntamente e então são formadas outras massas de excrementos, de forma ovoide, por forma a dificultar o seus transporte e roubo por outros rola-bosta.


Após a construção destas massas ovoides de excremento dentro dos tuneis, a fêmea introduz os seus ovos dentro destas massas de excrementos. A fermentação do excremento faz com que o interior destas massas aquecem alguns graus centígrados e mantenha as condições ótimas para a eclosões das larvar e proporcione alimento para a primeira fase da sua vida. Após terminarem como a disponibilidade alimentar dentro das massas de excrementos, as larvas sairão do seu interior e construirão os seus próprios túneis e alimentar-se-ão de raízes de modo a completarem a sua metamorfose. Quando emergirem á superfície já o farão como adultos e iniciar-se-á outro ciclo reprodutivo.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

domingo, 1 de janeiro de 2017

Aquele que voa perto de casa mas volta tarde

A última “Publication Series” da EUROBATS é sobre os nomes comuns dos morcegos europeus nas várias línguas. Também é feita uma resenha sobre a etimologia dos nomes científicos dos morcegos e de facto algumas são bastantes curiosos.

Um dos mais curiosos é o Eptesicus serotinus, etimologicamente a palavra Eptecisus tem origem numa latinização das palavras gregas epten = voar e oikos = casa, o seu conjunto significa aquele que voa perto de casa. Já a palavra serotinus deriva do latim serus = tardio, que significa que volta tarde. Assim, conjuntamente o nome Eptesicus serotinus, significa aquele que voa perto de casa e volta tarde. De facto o Morcego-hortelão-escuro é uma espécie que se associa muito a zonas hortícolas (junto a zonas urbanas) onde abundam os insetos.
Eptesicus serotinus (morcego-hortelão-escuro)

No caso do Nyctalus lasiopterus, a palavra Nyctalus deriva do latim nyctalopia latinizado a partir do grego nuktalops: nukt = noite, aloas = cego, que significa o cego da noite. Já lasiopterus, deriva do grego lasios = lã, e pteron = pena, que significa pelo nas asas. Assim, conjuntamente o nome Nyctalus lasiopterus, significa o cego da noite com pelo nas asas. Embora etimologicamente a característica da presença de pelos no interior da asas tenha dado origem a esta espécie, esta características é identificativa para as espécie deste género que ocorrem em Portugal.
Nyctalus leisleri (morcego-arboricola-pequeno)

No caso do Plecotus auritus, a palavra Plecotus deriva do grego plekto = enrolado, e otus = orelha, que significa orelhas enroladas e a palavra auritus que em latim significa com longas orelhas. Assim, conjuntamente o nome Plecotus auritus orelhas longas e enrolas. De facto as espécies do género dos Plecotus têm como característica enrolar/recolher as grandes e sensíveis orelhas para trás e colocá-las debaixo das membranas alares, deixando apenas visíveis os tragus.
Plecotus auritus (morcego-orelhudo-castanho)

A palavra Rhinolophus, deriva da palavra grega rhis = nariz e lophos = ornamento, que significa nariz com ornamento. A palavra ferrumequinum, deriva do latino ferrum = ferro e equinus = do cavalo, significando ferradura. No caso da palavra hipposideros deriva do grego hipopótamos = cavalo e sideros = ferro, que significa ferradura.
Deste modo tanto o Rhinolophus ferrumequinum como Rhinolophus hipposideros, significam nariz com ornamento em forma de ferradura, mas no caso do primeiro tem origem no latim e o segundo no grego. A forma de ferradura que todo este género apresenta na face é de facto a sua principal característica identificativa.
Rhinolophus ferrumequinum (morcego-de-ferradura-grande)

No caso do Myotis emarginatus, a palavra Myotis, deriva do grego mus = rato e ous/otos = orelha, que significa orelhas de rato e a palavra emarginatus, deriva do latim emargino = com uma parte da margem removida. Assim conjuntamente o nome Myotis emarginatus, significa orelhas de rato com a parte da margem removida. Dentro do género dos Myotis a identificação das espécies requerem uma minuciosa observação de pormenores e de facto a emarginação que o Myotis emarginatus apresenta é uma delas.
Myotis emarginatus (morcego-lanudo)


No caso do Tadarida teniotis a palavra Tadarida tem origem do dialeto siciliano que significa morcego em quanto que teniotis tem origem no grego taina e no latim taenia = dobradas e do grego ous/otos = orelha. Assim conjuntamente o nome Tadarida teniotis significa morcego com orelhas dobradas. As pregas que esta espécie apresenta nas orelhas são bem elucidativas.
Tadarida teniotis (Morcego-rabudo)


Bibliografia:

Lina, P. H.C. (2016): Common Names of European Bats. EUROBATS Publication Series No. 7. UNEP / EUROBATS Secretariat, Bonn, Germany,104 pp.